Foto: reprodução

Um novo inquérito foi aberto hoje (25) para investigar o autor confesso do ataque a faca contra Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência da República. De acordo com nota da Polícia Federal (PF), o inquérito tem por objetivo “apurar fatos decorrentes das investigações” realizadas até agora. A PF não forneceu mais detalhes do novo procedimento investigativo sob a alegação que “as informações do inquérito são sigilosas”. O autor do ataque, Adélio Bispo de Oliveira está preso em um presídio federal em Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul, para onde foi levado dia 8 deste mês, sob escolta da PF. A transferência de Juiz de Fora, em Minas Gerais, para Campo Grande foi determinada pela Justiça Federal. O ataque contra Bolsonaro ocorreu no dia 6 deste mês, quando o candidato à Presidência fazia campanha na região central de Juiz de Fora. Ele recebeu uma facada no abdômen em meio ao tumulto que se formou em volta dele no ato político. O autor do ataque foi preso pela Polícia Militar e levado para a delegacia da PF na cidade mineira. Bolsonaro foi conduzido para o hospital da Santa Casa de Misericórdia, onde passou por uma cirurgia e, dias depois, transferido para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde permanece internado. As informações são da Agência Brasil.

Foto: reprodução / ASCOM Prefeitura Municipal

Por ASCOM,

Na tarde do último domingo, 23/09, um bom público esteve presente no Estádio ‘Gilbertão’, em Brumado, onde puderam acompanhar uma belíssima partida de futebol, em que a Seleção Brumadense realizou uma bela apresentação, venceu a equipe de Itororó por 3x0, em partida válida como jogo válida em ´180 minutos jogo de ida e volta" desta fase eliminatória do Campeonato Intermunicipal de 2018, e está um passe da classificação na próxima fase. Os gols da partida foram marcados por Buti, Nego Diu e Rahí, em belíssima cobrança de falta, surpreendendo o goleiro da equipe adversária. A partida de volta será no próximo domingo, 30/09, na cidade de Itororó. Com a vantagem construída, a Equipe Brumadense deu um grande passo rumo à próxima fase. A comissão organizadora formada por Edneia Ataíde, Édio da Silva e João Nolasco, agradece a Administração Educar para Libertar, a presença do presidente da Liga Brumadense Paulo Sérgio  a equipe de apoio na organização no Estádio, Polícia Militar, Guarda Municipal e torcida que compareceu em massa para abrilhantar este Grande Evento. 

Foto: reprodução

Por Correio 24 horas,

A circulação do zika vírus no Brasil modificou, a partir de 2015, o cenário das doenças neuroinvasivas por arbovírus, principalmente quanto à síndrome de Guillain-Barré (SGB), pouco conhecida da população. Em 2016, a Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmou que o zika vírus era o principal responsável pelo aumento da doença no país. Na Bahia, o cenário não foi diferente. A partir de dados dos boletins epidemiológicos da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), entre os anos de 2015 e 2018 (até agosto), foram confirmados 143 casos de Guillain-Barré. No entanto, o que mais chama atenção é o aumento dos casos em 2018. As ocorrências entre janeiro e agosto deste ano já superam os números registrados nos 12 meses do ano anterior.  Segundo a Sesab, foram 10 casos confirmados de Guillain-Barré entre janeiro e dezembro de 2017 e, em 2018, até 31 de agosto, os números já alcançaram 42 confirmações. Isso significa um crescimento de 320% em 2018 comparado ao ano anterior. Se for analisada a proporção da SGB em relação às doenças neuroinvasivas por arbovírus, até agosto, 79,2% das confirmações foram para a síndrome. A neurologista especialista em doenças neuromusculares, Marcela Câmara Machado Costa, explicou que esse aumento ainda não tem uma causa definida. “É preciso esperar o resultado da análise epidemiológica para saber se o aumento é em decorrência do retorno do zika vírus, ou se é um novo vírus, podendo ser, ainda reação a alguma vacina”, revelou. Desta forma, para a médica, assim como o pico da Guillain Barré em 2015 foi relacionado à chegada do zika vírus no Brasil, o aumento de 2018 pode estar relacionado a este ou a outro critério. Até fevereiro de 2016, segundo a OMS, a SGB já havia atingido mais de 1.800 brasileiros, sendo que 8% deles morreram e 25% sofreram paralisia dos músculos respiratórios. Ainda segunda a OMS, a mortalidade nos pacientes com SGB é, geralmente, resultante de insuficiência respiratória, pneumonia aspirativa, embolia pulmonar, arritmias cardíacas e sepse hospitalar. De acordo com Marcela Câmara Machado Costa, a síndrome de Guillain-Barré “é uma doença imunológica, causada, em geral, por alguma reação pós vacinal ou pós infecciosa, ou de causa desconhecida, que atinge os nervos periféricos”. Ainda segundo ela, isso significa que a SGB surge quando “as defesas do organismo são mais intensas do que o necessário para acabar com a infecção e passam a atacar os nervos periféricos do próprio corpo, levando o paciente a sentir sintomas variados”. Marcela explicou que o principal sintoma é a fraqueza ascendente, ou seja, que atinge primeiro os membros inferiores, as pernas, e vai acometendo as demais partes do corpo. “Pode desencadear também a partir de uma dormência de membros”, afirmou. A médica destacou que a síndrome de Guillain-Barré impede que os nervos transmitam bem os sinais do cérebro aos músculos, o que leva a formigamentos, fraqueza, dificuldade de andar ou paralisia dos membros e dos músculos da respiração. A OMS apontou que a intensidade da paralisia dos membros pode variar desde leve, com fraqueza, o que não leva o paciente a buscar atendimento, até tetraplegia completa com paralisia da musculatura respiratória acessória.  O tratamento destinado à SGB é aplicado para acelerar o processo de recuperação dos pacientes, diminuindo as complicações associadas à fase aguda (problemas motores) e reduzindo os déficits neurológicos a longo prazo. O tratamento combina terapia de suporte e terapia modificadora da doença (plasmaférese ou alta dose de imunoglobulina). A imunoglobulina humana intravenosa (IgIV) é o tratamento mais recomendado e consiste no método de extrair anticorpos do sangue de doadores, que são injetados na veia do paciente com SGB.  Segundo a OMS, a SGB tem estágios de progressão que variam entre duas a quatro semanas. Cerca de 50% dos pacientes começam a responder ao tratamento a partir da segunda semana. No entanto, apenas 15% deles ficam sem nenhuma sequela após dois anos de diagnóstico e, do total de afetados, 5% a 10% permanecem com dificuldades de locomoção permanentes. A Organização Mundial de Saúde também afirmou que a Síndrome de Guillain-Barré deve ser tratada com maior rapidez em pacientes com idade acima de 50 anos. Já em crianças, é observada maior rapidez na retomada dos movimentos e, ao invés de paralisia, o sintoma maior é dor nos membros. Na maioria das vezes, a SGB é diagnosticada com exame clínico. A neurologista afirmou que “embora a Síndrome de Guillain-Barré seja tratável, pode deixar sequelas nos pacientes, que são observadas apenas após 6 meses de tratamento”. As sequelas podem ser revertidas, mas, podem levar a uma paralisia motora permanente, o que incapacita o indivíduo para o trabalho, segundo Marcela. Existe um projeto de lei, proposto em 2015 na Câmara dos Deputados, que determina o pagamento de indenização e pensão especial a pessoas com microcefalia ou Síndrome de Guillain-Barré, cabendo ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a coordenação, aceitação e fiscalização do benefício. A equipe do CORREIO entrou em contato com o órgão, mas até o fechamento da reportagem não foi fornecido o número de beneficiários na Bahia. Um grupo de pesquisadores japoneses da Universidade de Chiba, em Tóquio, desenvolveu um tratamento revolucionário para a cura da Guillain-Barré a partir da aplicação de eculiumab, um medicamento já utilizado no tratamento de outras doenças raras.  Foi constatado que o medicamento agiliza a recuperação dos pacientes com SGB. Na quarta semana de tratamento, 60% dos pacientes já conseguiam caminhar sem ajuda, enquanto o mesmo resultado é observado em 45% dos demais casos da síndrome. De acordo com o estudo publicado na revista The Lancet, em abril de 2018, após o final do tratamento, 70% dos pacientes com SGB não apresentavam qualquer sinal de incapacidade. O tratamento, no entanto, ainda está em fase de testes e não há previsão para ser liberado ao mercado. A novela Segundo Sol, que vai ao ar às 21h na Rede Globo/TV Bahia, vai abordar o universo da Síndrome de Guillan-Barré. A história da personagem Rochelle (Giovanna Lancellotti) na trama vai ter uma reviravolta nesta semana. Após inventar que sofreu abusos do tio Roberval (Fabrício Boliveira), a jovem vai parar no hospital e vai ser diagnosticada com a Síndrome de Guillain-Barré. A cena está prevista para ir ao ar nesta sexta-feira (28). O pai da vilã, Edgar (Caco Ciocler) reage à informação do médico e se desespera ao lado da família. O médico, então, vai explicar sobre a perda de movimentos da paciente e indicar o início de tratamento imediato.   No entanto, o momento mais difícil da trama vai ser quando a blogueira descobre sobre a doença. Rochelle, ao receber a notícia, se desespera e chora, pedindo para ir embora do hospital. A irmã dela, Manuella, vivida por Luisa Arraes, vai tentar acalmá-la, explicando todos os tratamentos e possibilidade de cura da Guillain-Barré. A atriz Giovanna Lancellotti precisou adaptar, inclusive, o próprio corpo à nova fase da personagem. Ao ler o capítulo da descoberta da doença, a atriz confessou que ficou um pouco amedrontada com o desafio e recebeu a ajuda da mesma preparadora de elenco que auxiliou a também artiz Alinne Moraes na novela Viver a Vida (2009/2010), quando precisou interpretar uma tetraplégica. Além do emocional, a mudança traz impactos no físico de Giovanna, que precisou perder 7,5 kg, saindo dos 52,5 kg para 45 kg. Ela é acompanhada por nutricionistas e preparadores físicos. Para Giovanna, que interpreta uma das vilãs da novela Segundo Sol, essa pode ser a chance de a personagem ser enxergada pelo público de uma forma diferente. 

Imagem de Arquivo/Agência Brasil

Escolas particulares de todo o país começam a anunciar os reajustes nas mensalidades que serão cobradas em 2019. Os valores variam de acordo com a região e também com o local onde está o estabelecimento. Pais e responsáveis, no entanto, podem se proteger e questionar as escolas caso percebam aumentos abusivos. No Distrito Federal, setembro é o mês em que geralmente as instituições começam a fechar os valores que serão cobrados, de acordo com o presidente do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Distrito Federal (Sinepe/DF), Álvaro Domingues. “Em geral, divulga-se nesta época do ano para as famílias se planejarem”, diz.  Domingues afirma que não é possível prever uma média de reajuste, uma vez que escolas têm autonomia para decidir os novos valores das mensalidades. “Tem escolas que podem não reajustar o valor, tem escola que reajusta mais do que a inflação, tem escola que reajusta menos. Vai variar”. Pela Lei 9.870/99, não existe um teto de reajuste escolar. Uma vez que não podem reajustar o valor durante o ano letivo, elas precisam calcular quanto será necessário para cobrir as despesas do próximo ano. Entram no cálculo, por exemplo, os salários dos professores, as contas de luz, água, o aluguel, entre outros gastos. “O que a gente orienta os gestores da escola é que observem principalmente o mercado, a demanda que existe, a legislação e que façam um planejamento que seja sustentável”, explica Domingues. A situação varia de acordo com a região do país. No Amazonas, a crise econômica fez com que muitos estudantes trocassem escolas mais caras por escolas mais baratas, até mesmo escolas particulares por escolas públicas. Os reajustes em 2018 variaram de 0% até 7,5%, segundo o diretor de Legislação e Normas do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado do Estado do Amazonas, Paulo Sergio Ribeiro. Para ele, até o ano passado, a crise afetou significativamente as famílias. “A tendência para o ano que vem é iniciar um processo de recuperação. Muitas famílias vêm negociando com as instituições, fazendo antecipação de pagamento, conseguindo descontos, isso tem sido comum”. Devido ao cenário de retomada, Ribeiro acredita que a tendência é de que as escolas aumentem as mensalidades e que haja menos instituições que mantenham o que cobram atualmente. “É muito difícil a escola manter os mesmos valores. Estamos percebendo uma retomada de crescimento das matrículas”. De acordo com o Censo da Educação Básica, em 2017, do total de 48,6 milhões de estudantes, cerca de 8,9 milhões eram de escolas particulares. Pouco menos da metade, 4,2 milhões, desses estudantes está na Região Sudeste e 2,3 milhões apenas em São Paulo. No estado, também não é possível ainda ter uma estimativa dos reajustes, de acordo com o presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo, Benjamin Ribeiro. “Tem escolas cuja mensalidade varia de R$ 400 a R$ 500 e escola que cobra R$ 7 mil ou R$ 8 mil por mês, escolas na periferia e outras em áreas nobres, cujos imóveis e, consequentemente, os aluguéis têm preços diferentes”. A concorrência, segundo Ribeiro, ajuda no controle de preços. “Se uma escola fizer bobagem, o pai muda o filho de instituição. Tem a opção de mudar. A escola não faz um aumento abusivo em função disso, senão acaba tendo problema”. A Lei 9.870 estabelece que a necessidade do aumento na anuidade deve ser comprovada por meio de uma planilha de custos. Os novos valores, juntamente com os documentos que comprovem o aumento, devem ser fixados em locais visíveis e de fácil acesso na escola 45 dias antes do prazo final para a realização da matrícula, e enviados aos responsáveis quando solicitados. Segundo o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), o fato de não existir um valor máximo para o reajuste da mensalidade não impede a contestação do aumento. “Caso o consumidor se depare com um aumento que considere abusivo, ele pode solicitar à escola a justificativa detalhada de tal reajuste”, diz a instituição. O Idec aconselha que os responsáveis tentem uma resolução amigável. Se preferirem, podem procurar entidades de defesa do consumidor, como o Procon. O instituto diz ainda que caso todas as possibilidades de diálogo tenham se esgotado, é possível entrar com ação no Juizado Especial Cível. “Uma saída adotada por muitos consumidores é reunir um grupo de pais para contestar o aumento na Justiça”, acrescenta. O presidente da Associação de Pais e Alunos das Instituições de Ensino do Distrito Federal (Aspa-DF), Luis Claudio Megiorin, recomenda aos pais e responsáveis que busquem negociar com as escolas. “Os pais devem negociar, à exaustão, descontos, principalmente se tiverem mais de um filho matriculado. Devem também procurar falar com escola e saber por quê aumentou, conversar com professores para saber se tiveram aumento real e de quanto foi. Os pais podem ajudar professores no sentido de que sejam reconhecidos e valorizados no trabalho. [O reajuste] serve de alerta para os pais verificarem se aquele serviço prestado está compatível com o valor pago”, defende. As informações são da Agência Brasil. 

Foto: Luciano Santos | 97NEWS

Por 97 News,

O mapa criminal em Brumado vem apresentando uma evolução no decorrer dos últimos anos, com a execução de várias ações planejadas, que são frutos de pesquisa e de conhecimento de informações sigilosas. Neste final de semana, provavelmente no domingo (23), mais uma dessas ações foi realizada tendo como cenário a agência bancária do SICOOB - Banco Cooperativo do Brasil S/A, que fica localizada no centro da cidade. Bandidos invadiram as dependências da agência, provavelmente através de um terreno ao lado que está em construção e, que conseguiram desativar o sistema das câmeras de segurança, o alarme e entrar na tesouraria, em seguida arrombaram o cofre. O que mostraria conhecimento técnico dos mesmos. Na manhã desta segunda-feira (24), ao entrarem na agência, os funcionários perceberam que a mesma tinha sido violada. Ato contínuo, imediatamente a Polícia foi acionada. Uma equipe do DPT ainda está no local realizando a perícia para fazer o real levantamento dos prejuízos. Como a tesouraria foi invadida, é possível que valores altos tenham sido subtraídos, mas a Polícia ainda não se manifestou sobre essa possibilidade. Imagens de sistema de segurança na região podem contribuir para a prisão dos elementos.

Foto: reprodução

Na manhã desta segunda-feira (24), vários internautas, moradores do Bairro Dr. Juracy entraram em contato com a nossa equipe de reportagem para relatar a falta de água nas residências. ''Na minha casa não tem nenhuma gota d'água, nem pra beber, muito menos pra tomar banho há quase 4 dias'' Disse uma moradora daRua Maria Quitéria. Há vários dias a água vem sendo controlada de tal forma que chega a assustar a população. ''Aproveitamos a entrevista para pedir socorro, estamos passando sede para economizar, precisamos de água em nossas caixas D'água, este liquido faz parte de nossas vidas. Sem água, não tomamos banho, não limpamos o banheiro, não fazemos comida, não lavamos pratos, também não lavamos roupas.'' Disse uma moradora. Segundo um morador, desde a última sexta-feira (21) as caixas estão vazias. Moradores da localidade pedem uma solução urgente da EMBASA. 

Foto: Divulgação/Twitter

A Seguradora Líder, responsável pela administração do Seguro de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro DPVAT), pagou a indenização de 560.789 acidentes nos últimos dois anos. As informações constam em um boletim estatístico divulgado hoje (20), em meio a Semana Nacional do Trânsito, que vai até dia 25 de setembro. Como o prazo prescricional para a solicitação do benefício do Seguro DPVAT é de até 3 anos, os dados podem sofrer alterações conforme as ocorrências são notificadas por vítimas e beneficiários. Os números mostram que houve uma redução de 22% nas ocorrências entre 2016 e 2017. No ano passado, foram 245.371 acidentes indenizados no país, contra 315.398 no ano anterior. A redução, no entanto, não significa uma tendência de queda nas ocorrências. De acordo com a Seguradora Líder, é provável que aumentem os pedidos de indenização por acidentes em 2017, já que o prazo de prescrição de pedidos só termina em 2020. Neste cenário, o número de ocorrências entre um ano e outro tende a ser mais parecido.  Os casos de invalidez permanente representaram a maioria das indenizações tanto em 2017 (68%) quanto em 2016 (73%). O reembolso de despesas médicas representaram um percentual de 20% no ano passado e 16% no ano anterior. Quanto às indenizações por morte, foram 12% em 2017 e 11% em 2016. No ano passado, a maior incidência de acidentes foi com vítimas do sexo masculino (76%), mantendo o mesmo comportamento dos anos anteriores. A faixa etária mais atingida no período foi de 18 a 34 anos, representando 49% do total das indenizações pagas, o que corresponde a quase 119 mil indenizações. O número de mortes, segundo as estatísticas dos acidentes indenizados, caiu 13% entre 2016 e 2017. Foram 29.500 mortes no ano passado, contra 33.833 no ano anterior.  Entre as mortes e vítimas com sequelas permanentes, a maioria (70%) eram condutores de veículos, principalmente motociclistas. Os pedestres ficaram em segundo lugar nos acidentes fatais ocorridos e indenizados no período (22%), porém, nos acidentes envolvendo invalidez permanente e reembolso de despesas médico-hospitalares, os passageiros representaram a segunda maior parcela de ocorrências, com 15% e 16%, respectivamente. De janeiro a dezembro de 2017, seguindo a mesma tendência de anos anteriores, a motocicleta representou a maior parte das ocorrências (76%) apesar de corresponder, em números absolutos, apenas a 27% de toda a frota nacional. Esse número cresce no Nordeste, onde as motocicletas são quase a metade (44%) da frota total. Nos estados dessa região, ocorreram 35% das indenizações por morte e invalidez permanente envolvendo motocicletas no período analisado. As cinco capitais com o maior número de acidentes indenizados em 2017 foram São Paulo (5.998), Fortaleza (3.908), Goiânia (3.587), Rio de Janeiro (2.877) e Teresina (2.493). Na parte de baixo da lista, Vitória (335), Macapá (390), São Luís (448), Rio Branco (483) e Belém (600) foram as capitais com menos ocorrências registradas. Em termos regionais, Nordeste e Sudeste concentram o maior número de acidentes indenizados em 2017, com 30% do total cada. Em seguida, aparece a Região Sul, com 20% das ocorrências, seguida por Centro-Oeste e Norte, que somam 10% cada. A maior incidência de acidentes já indenizados em 2017 foi no período do anoitecer, entre 17h e 19h59, representando 23% das indenizações, seguida pelo período da tarde (13h às 16h59), que representou 21% das ocorrências no total.  As informações são da Agência Brasil. 

Foto: reprodução

Na Panieri Atacarejo o seu dinheiro rende muito mais, pois os preços são incriveis no varejo e inacreditáveis no atacado e tem ofertas incríveis todos os dias. Os preços praticados na Panieri são ótimos para as donas de casa e melhores ainda para os donos de comércios que compram para revender. A Paniere Atacarejo fica localizada na Rua Coronel Paulino Chaves, nº 390, centro (Praça do Jurema), em Brumado, fica aberto aos domingos e feriados e aceita todos os cartões de crédito. Panieri Atacarejo, Lucro para quem é dono de comércio e economia para as donas de casa. Para maiores informações entre em contato atráves do telefone; (77) 3441-2152. 

Foto: Divulgação | SSP-BA

Por Livramento Hoje, 

Uma megaoperação recuperou, na tarde desta quarta-feira (19), R$ 177 mil roubados de um carro-forte, na cidade de Boa Nova e apreendeu mais de meia tonelada de maconha. Equipes das polícias Militar e Civil chegaram à quadrilha, no município de Livramento de Nossa Senhora. Um criminoso foi preso e outro morreu em confronto. As diligências em busca da quadrilha foram iniciadas após o assalto, ocorrido, na última segunda-feira (17), em Boa Nova. Os criminosos acabaram localizados em uma casa e, no momento da abordagem, houve confronto. Um criminoso morreu em confronto e outro terminou preso. Ambos ainda estão sem identificação. Outros integrantes do bando conseguiram escapar e estão sendo procurados. Com o grupo foram recuperados R$ 177 mil, 600 kg de maconha, explosivos, munições de fuzil, uma pistola, e um carro modelo Hylux. Participaram da megaoperação efetivos das Companhias Independentes de Policiamento Especializado (Cipes) Sudoeste, Chapada, Litoral Norte e Central, além do Grupamento Aéreo (Graer), do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), das Rondas Especiais (Rondesp) Sudoeste e da 46 CIPM (Livramento de Nossa Senhora).

Foto: Reprodução / EBC

Comparando com outras cidades, a gasolina vendida em Brumado é uma das mais caras do país, chegando a custar R$ 5,19 o litro. Segundo um levantamento feito pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) e publicado nesta quinta-feira (20) no Bahia Notícias, a Bahia possui a gasolina mais cara do nordeste. Na Bahia, a cidade em que se compra a gasolina mais cara é Porto Seguro, com o valor do litro a R$ 5,249. Ainda segundo o levantamento, o estado brasileiro que vende a gasolina mais cara é o Acre, que vende o litro a uma média de R$ 5,129, valor mais baixo que Brumado. Já o estado onde o consumidor pode comprar a gasolina mais barata é o Amapá, que vende o combustível a R$ 4,129. Já o município onde o combustível está mais barato é Lauro de Freitas, que vende a gasolina a uma média de R$ 4,403. O município que apresentou a maior margem média foi Livramento de Nossa Senhora, com R$ 0,982. 

Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

por Bruno Luiz,

O candidato do PT à Presidência da República é líder isolado nas intenções de voto na Bahia, segundo pesquisa Ibope divulgada na terça-feira (18). O petista aparece com 33% dos votos, seguido por Jair Bolsonaro (PSL), com 14%. Veja abaixo o resultado completo do levantamento:

Fernando Haddad (PT) – 33%
Jair Bolsonaro (PSL) – 14%
Ciro Gomes (PDT) – 9%
Geraldo Alckmin (PSOL) – 6%
Marina Silva (Rede) – 6%
Alvaro Dias (Podemos) – 1%
João Amoêdo (Novo) – 1%
Branco/nulo – 17%
Não sabe/não respondeu – 12%

Os candidatos Vera Lúcia (PSTU), José Maria Eyamel (DC), João Goulart Filho (PPL), Cabo Daciolo (Patriota) e Guilherme Boulos (PSOL) não pontuaram.  Na pesquisa espontânea, quando os nomes dos candidatos não são citados pelos entrevistadores, Haddad também assume a liderança. O candidato possui 26% das intenções de voto, mas é seguido pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que, mesmo preso, registra 13%. Em terceiro, vem Jair Bolsonaro, com 12%. Confira abaixo o resultado completo deste cenário:

Fernando Haddad (PT) – 26%
Jair Bolsonaro (PSL) – 12%
Ciro Gomes (PDT) – 4%
Geraldo Alckmin (PSOL) – 2%
Marina Silva (Rede) – 2%
Outros - 1%
Branco/ Nulo – 14%
Não sabe/Não respondeu – 25%

Os candidatos Vera Lúcia, José Maria Eyamel, João Goulart Filho, Henrique Meirelles, Cabo Daciolo, Alvaro Dias, Henrique Meirelles e Guilherme Boulos não pontuaram.  A pesquisa Ibope tem margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos, e nível de confiança de 95%. O instituto entrevistou 1.008 pessoas entre os dias 15 e 17 de setembro e protocolou o levantamento no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o registro 01723/2018 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o registro 03445/2018.

Foto: reprodução

A Padaria União Santos disponibiliza um cardápio diferenciado com sabores irresistíveis, para tornar as suas comemorações ainda mais deliciosas. Na padaria União Santos você encontra as melhores tortas doces e salgadas, bolos, salgados diversos, pães e muito mais, tudo com alto padrão de higiene, qualidade, preço baixo e sabores incomparáveis - feitos com os melhores ingredientes e com muito capricho por quem realmente entende do assunto. Façam já os seus pedidos para aniversários, casamentos, festejos e confraternizações. Maiores informações 77 3441-3642. A Padaria União Santos fica localizada na Av. Otávio Mangabeira, no bairro Nobre, próxima à escola Nossa Senhora de Fátima.

Páginas